Carregando...

Papa no Jubileu dos Doentes: amar apesar de tudo


Domingo, 12 de junho, Jubileu dos Doentes e Pessoas Portadoras de Deficiência – na Missa na Praça de S. Pedro o Papa afirmou o valor de “amar apesar de tudo”. O Santo Padre sublinhou o facto de tantas pessoas com deficiência e enfermas se reabrirem à vida, logo que descobrem que são amadas.

Na sua homilia, Francisco começou por recordar as palavras de S. Paulo aos Gálatas na liturgia deste XI Domingo do Tempo Comum: “Estou crucificado com Cristo; já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim” (Gal 2, 19). Segundo o Santo Padre são “palavras muito fortes para expressar o mistério da vida cristã: tudo se resume ao dinamismo pascal de morte e ressurreição recebido no Batismo.”

No Batismo a imersão na água é como morrer para manifestar “a vida nova no Espírito Santo”- disse o Papa salientando que a condição de renascidos envolve todos os aspetos da vida, também a doença e o sofrimento.

“Na realidade todos nós, mais cedo ou mais tarde, somos chamados a encarar e, às vezes, a lutar contra as fragilidades e as doenças, nossas e alheias” – assinalou Francisco – “e como são diferentes os rostos com que se apresentam estas experiências, tão típica e dramaticamente humanas! Mas sempre nos colocam, de forma mais aguda e premente, a questão do sentido da vida.”

Segundo o Santo Padre, muitas vezes, a atitude humana é a de confiar apenas nas descobertas da ciência, considerando que “é impossível ser feliz uma pessoa enferma ou deficiente, porque incapaz de realizar o estilo de vida imposto pela cultura do prazer e da diversão”.

No entanto – realçou o Papa – “é grande a ilusão em que vive o homem de hoje, quando fecha os olhos à enfermidade e à deficiência! Não compreende o verdadeiro sentido da vida, que inclui também a aceitação do sofrimento e da limitação” – disse o Papa salientando que “o mundo não se torna melhor quando se compõe apenas de pessoas aparentemente «perfeitas», mas quando crescem a solidariedade, a mútua aceitação e o respeito entre os seres humanos.”

O Papa Francisco referiu ainda na sua homilia a leitura do Evangelho que nos fala da mulher pecadora e marginalizada que Jesus acolhe e defende “porque muito amou”. Jesus está atento às lágrimas e ao sofrimento daquela mulher: “a sua ternura é sinal do amor que Deus reserva àqueles que sofrem e são excluídos”. “Amar apesar de tudo” – sublinhou o Papa.

“Quantas pessoas com deficiência e enfermas se reabrem à vida, logo que descobrem que são amadas” mesmo que seja só através de um sorriso – recordou o Santo Padre salientando que “Jesus, na sua paixão, amou-nos até ao fim”, pois na “cruz, revelou o Amor que se dá sem limites”.

Ao seu sofrimento físico Jesus respondeu com “a misericórdia que a todos acolhe e perdoa” – disse o Papa que no final da sua homilia afirmou que “Deus pode compreender as nossas enfermidades, porque Ele mesmo foi pessoalmente provado por elas (cf. Heb 4, 15). (RS)

Comunidade Católica Deus Existe

Comunidade Deus Existe © 2009 - 2020 Todos os direitos reservados